segunda-feira, 11 de julho de 2011

Procura-se Homens

Luciano Motta

Há pouco mais de um mês tive a tarefa de corrigir cerca de cinquenta redações sobre o seguinte tema: "Qual o papel da figura masculina na sociedade hoje?" Os textos foram escritos por alunos entre 17 e 50 anos aproximadamente (veja que a faixa etária era bastante ampla), de diferentes camadas sociais e contextos familiares. As redações abordaram diversos aspectos do tema, mas todas apontavam para o seguinte:

Onde estão os homens? O que houve com eles?

Esta pergunta é exatamente a mesma que Deus fez a Adão no Éden: "Onde está você?" (Gênesis 3.9). Por causa do pecado, a masculinidade vem sendo eclipsada ao longo das gerações. Nas últimas décadas, esse processo se acentuou, com a diluição dos referenciais sólidos promovidos pelo pensamento "pós-moderno".

A efervescência atual em torno da questão homossexual certamente advém da atrofia gradativa da figura masculina nas décadas anteriores, seja pelos movimentos feministas, seja pelo enfraquecimento da estrutura familiar. O aumento exponencial dos índices de divórcio confirma isso.

Em seu livro What's the difference? (1990), John Piper afirma:

"A tendência hoje é enfatizar a igualdade dos homens e das mulheres, minimizando o significado único da nossa masculinidade e feminilidade. Porém, essa depreciação da personalidade masculina e feminina é uma grande perda. Está cobrando um alto preço de gerações de jovens, homens e mulheres, que não sabem o que significa ser um homem ou uma mulher. [...] A consequência dessa confusão não é uma harmonia livre e feliz entre pessoas sem gênero se relacionando, com base em competências abstratas. Geralmente, a consequência é maior número de divórcios, mais homossexualismo, mais abuso sexual, mais promiscuidade, mais inaptidão social, mais sofrimento emocional e suicídios, que vem com a perda da identidade dada por Deus."

O problema não é a falta de punições ou de pressão de pais sobre filhos de trejeitos afeminados, tampouco manter um casamento de aparências apenas para se "preservar o lar". O problema principal é - e sempre foi - a ausência de uma legítima figura masculina e paterna. Homens verdadeiros que assumam sua posição. Homens que reconheçam sua identidade nos moldes da Palavra de Deus.

A sociedade procura, anseia por homens assim, ainda que em geral suas lideranças políticas e alguns grupos de ideologias anti-cristãs não o admitam. E a igreja, enquanto Luz do Mundo, acaba deixando de resplandecer e dissipar as trevas por não dar a devida atenção a este tema, conformando-se com o divórcio e com todas as consequências provenientes da falta de homens de Deus em suas comunidades.

Finalizo com a definição de Piper, no mesmo livro acima citado, sobre o significado da masculinidade: "No coração da masculinidade madura há um senso de responsabilidade benevolente para liderar, sustentar e proteger mulheres de maneira apropriada aos diferentes relacionamentos do homem".

{ P.S: Quem mora no Rio de Janeiro provavelmente já viu grandes painéis do Governo do Estado defendendo a causa homossexual. Eu concordo que não se deve agredir os que optaram por esta preferência sexual. Porém, a Constituição Federal já prevê punições a qualquer um que agredir quaisquer pessoas: homossexuais, portadores de deficiência, mulheres, negros, anões, quem quer que seja. O Governo, então, gasta milhões dos cofres públicos para defender a causa de uma parcela muito, muito pequena da população - o último censo apontou a existência de 37,5 milhões de casais formados por pessoas do sexo oposto e apenas 60 mil casais homossexuais (o que equivale a 0,16%). Não pelo aspecto da necessidade ou do merecimento, mas da relevância, eu me pergunto: por que o mesmo Governo não investe os mesmos milhões – ou menos, não importa o montante – para a defesa da família "tradicional", que corresponde a 99,84% dos casais no Brasil? Por que não realizar uma campanha abrangente que ressalte a importância do homem sério, marido de uma só mulher, carinhoso com os filhos, íntegro na sociedade? Por que não destacar que famílias sólidas são mais benéfícas para a sociedade do que qualquer outra iniciativa? }

domingo, 3 de julho de 2011

Comunidade Belford



Se você é da cidade de Belford Roxo, há uma igreja em movimento, proclamando o Evangelho, orando e adorando ao Senhor. Conheça o Pr. João Costa e os irmãos que ali congregam toda semana e proclamam: Que venha o teu Reino, Jesus!

Conheça também o site da igreja: Comunidade Belford.