sábado, 26 de março de 2011

Por que as pessoas são tão desanimadas para a vida com Cristo?

Do blog "Eu e minha mente" | Ana Cristina Pina

Porque Jesus não tem sido o objetivo delas, não está no centro da vida delas e é mais importante a vida que elas veem do que a que não veem. É mais fácil viver de qualquer jeito do que viver uma vida de total dependência do Criador. É mais fácil se apaixonar pelas coisas que dão prazer à nossa carne do que se apaixonar por Aquele que ordena que cada um leve a sua cruz para segui-lo.

As pessoas e as igrejas não estão apaixonadas por Jesus, sendo assim, como Ele influenciará a vida de quem não O deseja?

Isso tudo não é nem o princípio. Mas Deus está levantando uma tropa de elite que não vai se contaminar e nem se envolver com as coisas desse mundo, nem com esse evangelho barato, sem Cristo. Algo novo já está começando e eu quero fazer parte disso. Nosso coração precisa amar a Jesus acima da religião, dos templos, da aparência, das quatro paredes, acima de tudo. Deus vê todas as coisas e sabe exatamente qual é a nossa intenção e motivação.

Isso não é fácil, pois estamos vivendo dias difíceis e que vão piorar, mas estar com Ele é muito bom, é o nosso lugar seguro. Conhecer e ouvir Sua voz não tem preço.

Obedecer a Sua voz – isso é vida de dependência. [...]

Se Jesus estiver no centro, todas as coisas da nossa vida terão Jesus! PRECISA HAVER ESFORÇO POR ISSO. LEIA A PALAVRA. ORE MAIS. JEJUE. OUÇA A VOZ DO ESPÍRITO SANTO EM SUA VIDA!!!

quarta-feira, 23 de março de 2011

Visão de uma geração

Luciano Motta

Grita por socorro um jovem dependurado em um precipício, prestes a cair. Não há ninguém para ajudar. Aquele lugar ermo parece estar situado em uma grande floresta. Quem poderia passar por ali? De súbito, Jesus aparece e o puxa pelo braço, salvando-o daquela situação desesperadora.

Uma vez em terra firme, depois de recompor o fôlego, aquele jovem ouve Jesus chamando: "vem comigo". Ele vê Jesus seguindo pela direita, por entre as árvores. Aquele jovem, porém, resolve ir na direção oposta.

De um plano mais alto, é possível ver que a floresta é bem maior do que parecia inicialmente. O precipício fica na extremidade de uma imensidão verde que se estende até o horizonte. Somente quem conhece o caminho seria capaz de chegar ao outro lado sem se perder.


Esse jovem é uma geração. Gente que foi salva por Jesus, resgatada de circunstâncias terríveis. Gente que já ouviu ou conheceu o Evangelho do Reino e por isso teve alguma experiência de transformação e mudança de rota. Mas essa geração, em algum momento, ao invés de seguir a Jesus, decidiu ir por seus próprios caminhos, fazer sua própria vontade. Resultado: muitas e muitas pessoas, embora tenham sido salvas um dia, andam perdidas em suas vidas, rodando para lá e para cá, solitárias, ansiosas, frustradas. Perderam Jesus de vista na imensidão desse mundo, de valores invertidos, de religiosidade opressiva e de esfriamento do amor.

Você se identifica com essa geração?

Saiba que mais e mais pessoas tem reencontrado o Caminho. Andaram perdidas por um tempo, mas um dia reencontraram Jesus. E dessa vez, quando ouviram Dele "vem comigo", não hesitaram em segui-Lo. Existem comunidades de fé que estão redescobrindo a essência do Evangelho, lançando de novo os fundamentos e agora edificando uma vida sólida em Deus.

Se você deseja saber mais a respeito, deixe um comentário abaixo. Estou orando por você junto com muitos outros irmãos, que tem intercedido por essa geração.

segunda-feira, 14 de março de 2011

Festa!

14 de março de 2011 - Aniversário da minha esposa, nosso aniversário de casamento (13 anos) e também de namoro (estamos 19 anos juntos)!

Hoje foi um dia bastante festivo para nós: família, parentes e amigos. Somos muito gratos a Deus por tudo o que Ele tem feito. Agradecemos também a todos que tem partilhado suas vidas conosco ao longo desses anos.

As fotos mostram só um pouco da festa e da alegria que estão em nosso coração:


Jantar especial a dois


Minha família linda


Com meus pais Almir e Antonia


Com minha sogra Nilcea, minha cunhada Andréa e minha sobrinha Ana Paula


O carinho de todos registrado durante a festa

Escrevi o poema abaixo pensando em Deus e na minha esposa. O título foi uma frase que ouvi dela. Daí me veio a ideia de versar sobre como em nossa vida sempre estamos em perspectiva, sempre temos uma referência - e o próprio Deus é a maior de todas. Tenho ainda uma outra grande referência na minha vida: minha esposa, mulher virtuosa, maravilhosa e muito amada!

Esse poema é uma singela homenagem para você, Ana Cristina:

A VIDA VEM DO ALTO
Autor: Luciano Motta

A vida vem do alto
Na saudação do astro rei
Aquece meu dia, me ilumina
Como seu sorriso de menina

A vida vem do alto
Pelo orvalho da manhã
Gotejado no secreto, sem alardes
Como seus beijos em minhas tardes

A vida vem do alto
No carinho de quem cuida
O olhar de baixo para cima
Como em seus braços me arrima

A vida vem do alto
Pela certeza de Deus
Seu amor é grande assim
Como você, um presente Dele para mim

sábado, 12 de março de 2011

Quão bom seria viver em união!

Do blog "Eu e minha mente" | Ana Cristina Pina

Algo transformador precisa acontecer no meio do Corpo de Cristo.

Quão bom seria se vivêssemos em união! Quantas coisas aconteceriam! Deus derramaria do Céu simplesmente por estarmos juntos, com o mesmo propósito.

Quão bom seria se existisse um povo com um único propósito de se relacionar com seu Criador e refletir a vida que há Nele. Serviríamos pelo único motivo de estarmos apaixonados por Ele e por estarmos cheios do Seu imenso amor.

O Senhor não morreu para que tivéssemos uma religião ou um templo para nos orgulharmos. Ele morreu para termos relacionamento com Ele e amarmos uns aos outros, a não nos importarmos conosco mesmos ou com nossas atividades (e são muitas as atividades!).

Olhe mais para quem está do seu lado, abrace mais, se importe mais e ame mais. Ore mais, jejue mais, fale mais de Cristo.

Que nossas palavras sejam sempre agradáveis. Que portemo-nos com sabedoria para com os outros, aproveitando as oportunidades, é o que diz Colosensses 4.5.

Perceba suas atitudes e não busque seus próprios interesses!

sexta-feira, 11 de março de 2011

Terremoto e tsunami no Japão





Oremos pelo Japão e pelas nações do Pacífico. Oremos pelas famílias em luto.

Como não associar essa calamidade às anteriores? Como não reconhecer que os tempos estão acelerados? No passado havia um certo intervalo entre as catástrofes. Nos últimos anos, porém, esse espaço de tempo tem sido praticamente nulo.

Jesus está voltando. Prepare-se!

terça-feira, 8 de março de 2011

Uma palavra para pais e filhos II

Damos continuidade ao artigo "RECONSTRUINDO OS ELOS", de Tony Felicio. Depois de tratar da família como o primeiro ambiente idealizado por Deus para suprir as necessidades dos filhos, o autor fala sobre a relação família-igreja:

FAMÍLIA, VIVA COMO IGREJA!

Um jovem cristão me disse, certa vez, que quando comparava sua casa com a casa de seus amigos não cristãos, sentia que eram eles que tinham mais alegria. Quando crescem, as crianças deixam de ter um olhar ingênuo e passam a perceber e questionar o que veem. Infelizmente, as famílias têm sido um lugar de decepção e frustração para muitos jovens. O ambiente familiar hostil e nada espiritual tem afastado nossos filhos do lugar que mais deveria protegê-los.

Nossa casa precisa ser o melhor lugar do mundo para eles. Para isso, temos de trazer o viver da igreja de volta ao lar. Quando nossa casa for como igreja, nossos filhos voltarão a sentir-se bem nos demais ambientes da igreja. Caso contrário, continuaremos a conviver com pais “crentes” e filhos “desviados”.

Casas que funcionam como igreja são famílias que vivem o verdadeiro evangelho e cultivam a presença de Deus. São casas onde não se professa uma religião, mas se experimenta uma relação pessoal, informal e prazerosa com Jesus. A tradição religiosa fez com que os princípios bíblicos fossem aplicados apenas nos “momentos de culto”. Na “igreja” se vive de um jeito e na casa, de outro. Os filhos percebem tudo e acabam por revoltar-se contra a forma religiosa e errada de igreja que conhecem.

Quando Deus planejou a igreja, criou a família. Igreja e família são, portanto, dimensões diferentes do mesmo organismo. Tudo o que está escrito sobre o viver da igreja deveria ser vivido em família; afinal, igreja são pessoas e não instituições e prédios.

Por exemplo, em Mateus 18.20 está escrito: “Porque onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, ali estou no meio deles”. Normalmente, utiliza-se esse texto quando há poucos presentes em reuniões de oração com o fim de animar as pessoas a orarem. Mas qual é o lugar onde, desde seu surgimento, só tem duas ou três pessoas? Onde há pelo menos um casal unido em nome de Jesus? Na família. Portanto, Deus quer estar no meio dos casais, entre pais e filhos, unindo irmãos.

Se igreja é casa de Deus, a família precisa ser o lugar onde se experimenta a presença de Deus; se igreja é Corpo de Cristo, a família precisa ser o ambiente em que os dons são utilizados para edificação mútua; se igreja é família de Deus, cada lar tem um Pai soberano para dar direção e distribuir os recursos como quer.

A nova geração não tolera mornidão e hipocrisia. Está cansada de religião e cercada pelo mundo. Casas cheias da presença de Deus, fundamentadas na verdade do evangelho e recheadas com o genuíno amor do Pai, são como montes altos para onde nossos jovens podem correr e equipar-se para a hostil peregrinação nesta Terra.

IGREJA, VIVA COMO FAMÍLIA!

Muitos pastores tentam produzir um ambiente atrativo para o jovem por meio de uma programação direcionada. Esse é um desejo louvável, mas perigoso. Igreja são pessoas. Uma igreja atraente são pessoas cheias da vida de Jesus. O Senhor disse que atrairia todos a si mesmo quando fosse levantado da terra (Jo 12.32). Para ser uma igreja atraente, é preciso começar a viver e pregar Jesus Cristo crucificado (1 Co 2.2). O verdadeiro evangelho é o poder de Deus. Atividades podem atrair os jovens às reuniões, mas não os prenderão em Cristo. Uma comunhão genuína com o Corpo, isso sim, prende ao Cabeça.

Precisa haver estratégias que exponham os jovens ao Espírito Santo num ambiente de relacionamento entre iguais e também em ambientes transgeracionais. É assim que toda boa família funciona.

Não quero apresentar modelos de ministério a jovens, mas quero defender um estilo de vida de igreja que é atraente a qualquer pessoa de qualquer idade: amor e verdade. Deus é amor e seu Filho é a verdade. A igreja deve ser uma família marcada pelas características do Pai e do Filho. Uma igreja assim segue o modelo da Trindade: Pai, Filho e Ajudador (Espírito Santo). A igreja é a grande família de Deus na qual ele se manifesta por intermédio de muitos pais, muitos filhos, muitas ajudadoras e muitos irmãos. Assim, qualquer pessoa que passa a fazer parte da igreja encontra uma família completa. É assim que Deus faz o solitário habitar em família (Sl 68.6)!

Quantos jovens feridos pelo abandono podem ser curados na igreja! Quantas moças marcadas pelo mundo podem ser saradas na família de Deus! Quanta fúria e amargura da juventude transviada de hoje podem ser aplacadas pelo amor e pela verdade de Cristo em sua igreja! As famílias da igreja precisam ser o lugar onde nossos filhos fazem amizades, onde são guardados e preparados para enfrentar o mundo. Precisamos juntar, em nossas casas, as forças da Palavra e da oração em comunhão para que nossos jovens conheçam o Senhor. Se eles o conhecerem, serão tão atraídos a ele que não conseguirão deixá-lo.

Nesse ambiente, Deus poderá levantar pessoas que tenham graça para ajudar a nova geração a conhecer a Cristo e a viver toda a plenitude e alegria de seu Reino – pessoas com dons, com um jeito de ser, uma história de vida e uma linguagem que lhes permitam acessar o coração dos jovens. Tais pessoas nunca devem (nem podem) substituir os pais. Podem, entretanto, cooperar com a família natural agindo como pais espirituais. Os pais são responsáveis pelos filhos, mas não podem fazer isso sozinhos. A igreja é a família de Deus. Deus reparte dons com pessoas que podem ser pais que ajudam outros pais.

O mundo descobriu como doutrinar os jovens em seus sofismas. Gerações inteiras têm sido perdidas por causa disso. Como igreja, precisamos considerar as peculiaridades deste momento da história para saber as situações pela quais os jovens estão passando e oferecer-lhes um lugar de amor, ensino e alegria a fim de poderem abrir-se e ser pastoreados. Essa necessidade deve levar-nos a ouvir de Deus como alcançar o coração da nova geração.

Há 19 anos, tenho estado com jovens em diversas partes do Brasil. Estive em congregações que tinham um trabalho específico com jovens e em outras que não tinham. O problema daquelas que têm atividades separadas é que departamentalizam a família em “ministérios”. Isso acaba favorecendo a fragmentação da família que Deus criou para ser uma unidade e não um conjunto de indivíduos isolados. Além disso, não se pode ajudar um jovem sem considerá-lo em seu contexto familiar.

As congregações que não têm trabalho específico com jovens, por outro lado, erram por desconsiderar a necessidade de oferecer relacionamentos fora da família que cooperem com os pais no papel de guiar os filhos a Jesus. Nenhum de nós consegue, sozinho, cumprir cabalmente o chamado para cuidar dos filhos. Por isso, a igreja é um corpo de muitas partes e cada uma delas tem capacidades, dons e graça para ajudar as demais.

Penso que a igreja deve investir em práticas com jovens que considerem o contexto social, espiritual e familiar em que vivem. Pastores que ajudem os pais na condução das ovelhinhas do Senhor ao projeto que tem para elas. Estratégias que utilizem o contexto do jovem para ensiná-lo a viver tudo o que qualquer filho de Deus de qualquer época e idade tem o privilégio de viver.

É importante que nossos filhos tenham amigos espirituais com quem possam conviver e crescer no Senhor; gente que compreenda o tempo e os conflitos em que vivem. Mesmo no mundo individualista em que estamos, sempre surgem os candidatos a amigos. Deus pode alcançar pessoas perdidas por meio de amizades com os jovens que já foram transformados. É essencial, porém, que antes sejam fortalecidos e edificados com amizades saudáveis na família de Deus.

sábado, 5 de março de 2011

Uma palavra para pais e filhos I

A edição de setembro/2010 da Revista Impacto publicou uma série de artigos sobre a adolescência. Em um deles, chamado "RECONSTRUINDO OS ELOS", Tony Felicio aponta a família e a igreja como "os dois principais ambientes que podem ajudar a suprir as necessidades dos adolescentes".

Ao meu ver, trata-se de uma palavra com implicações muito abrangentes e significativas para os dias proféticos que vivemos. Há conexão com a mensagem de João Batista, de fazer voltar o coração dos pais a seus filhos (Lucas 1.17). Leia as palavras abaixo e considere muito mais do que a faixa etária da adolescência. Se você tem filho(s), pense nele(s) enquanto lê, não importa qual seja a idade dele(s). Se ainda não tem um filho, guarde as palavras abaixo com carinho no seu coração.

PAIS ESPIRITUAIS

Não há tarefa mais especial do que ser pai e mãe. Já que vamos a Deus por causa de tantas outras coisas, por que não o buscamos também – como Pai – para saber como agir com nossos filhos?

Pais espirituais oram todos os dias pelos filhos; procuram saber qual é o projeto de Deus para eles e não abrem mão de ajudá-los a cumpri-lo. Pais espirituais participam das decisões dos filhos com exortação, conselho e amor. Pais carnais dizem que filhos crescidos devem se virar sozinhos. No Reino, nunca devemos agir sozinhos; não importa a idade ou a maturidade, sempre precisamos uns dos outros. Nossos filhos precisam de nós.

Um alerta: ser espiritual é muito diferente de ser religioso. Pais religiosos parecem santos; os espirituais buscam realmente ser como Jesus. Pais religiosos espantam os filhos; os espirituais os atraem. Precisamos ter uma vida cristã cheia da paz, da justiça e do gozo que caracterizam o Reino. Isso atrairá nossos filhos e os manterá seguros no ambiente agradável de casa proporcionado pela presença do Espírito.

Com a consciência de que criar filhos é uma tarefa que requer espiritualidade, trate de maneira espiritual as mudanças naturais que seus filhos vivem. Não se deve ver pecado em tudo como faz o típico religioso; procure ver Deus e o seu propósito em tudo, e guie os filhos nessa direção. A puberdade, os hormônios, as mudanças no corpo, o interesse sexual – Deus tem um propósito para essas coisas. Conheça-o e ajude seu filho a se guardar para ele.

Acima de tudo, creia. É verdade que devemos fazer tudo o que o Pai nos manda, mas precisamos pôr nossa fé nele e não em nossa obediência. Nossa fé precisa estar no Filho de Deus que nos amou e a si mesmo se entregou por nós (Gl 2.20). Essa atitude nos ajudará a permanecermos fiéis quando surgirem as crises. Ainda que os filhos enfrentem problemas, nossa fé no Filho, em seu amor e na sua cruz nos ajudará a perseverar e receber o cumprimento das promessas do Senhor.

PAIS QUE AJUDAM A DESCOBRIR A MISSÃO DOS FILHOS

Há três decisões importantes na vida de um jovem: missão, profissão e casamento. Essas decisões são espirituais, têm implicações eternas e devem ser consideradas nessa ordem. Pais espirituais fazem a pergunta dos pais de Sansão:

Então disse Manoá: Quando se cumprirem as tuas palavras, qual será o modo de viver do menino, e o seu serviço? (Jz 13.12).

Essa é uma pergunta sobre missão. Manoá e sua esposa queriam ser guiados por Deus na educação de um filho que tinha um chamado especial. Seus filhos também foram chamados! Você sabe para quê? A resposta a essa pergunta lhe dirá como deve criá-los, como devem viver.

A maioria dos pais pensa primeiro na profissão e trabalha duro para que os filhos vençam no mundo. Como afirma o querido irmão Jamê Nobre: “Deus quer que eles vençam o mundo e não no mundo”. Quer que sejam sal e luz, que transtornem o mundo.

A maioria dos filhos pensa muito mais no terceiro assunto – não em casamento, infelizmente, mas em namoro. Acabam envolvendo-se com alguém do sexo oposto antes de se envolverem com seu chamado. Às vezes, interessam-se por estudo e profissão, mas raramente experimentam na juventude a preciosidade de envolver-se com o chamado pessoal do Senhor para eles.

Isso está errado! Nossos filhos devem descobrir conosco o chamado de Deus para eles. Esse deve ser o motivo da profissão e o critério para se procurar o cônjuge. Pais espirituais ajudam os filhos a encontrarem, no Senhor, essas respostas e a andarem nelas. Pais carnais deixam os filhos descobrirem sozinhos, porque não discernem essas coisas espiritualmente.

Nos países considerados de primeiro mundo, os pais, muito cedo, deixam os filhos agirem e decidirem conforme seus próprios pensamentos. Isso é maldade. A juventude desses países não é melhor por isso; aliás, é muito pior. O mundo cobra decisões, mas não ensina a tomá-las corretamente. Pais espirituais pastoreiam os filhos para que aprendam a ouvir Deus e a tornar-se homens e mulheres guiados pelo Espírito Santo.

PAIS AMIGOS

A amizade com os filhos se conquista com afeto e coerência. Filhos amados e guiados pelo exemplo e sabedoria dos pais os reconhecerão como amigos. A amizade permite o diálogo aberto que ajuda a evitar decisões erradas. Há muitos problemas considerados normais na adolescência que são, na verdade, consequências do péssimo relacionamento entre pais e filhos. Vícios, violência e outros “desvios de comportamento” poderiam ser evitados se os filhos pudessem conversar com os pais sobre tudo; sobre sentimentos, pensamentos, tentações e ansiedades.

O problema é que muitos pais “não têm tempo”. Filhos precisam de qualidade e quantidade de tempo. Relacionamentos não acontecem, são construídos. É preciso estar junto, conviver, conversar, relacionar-se. Sugiro uma avaliação de nossas rotinas e prioridades. Será que podemos viver com menos dinheiro a fim de ter mais relacionamento com os filhos? Será que não vale a pena deixar de almejar as riquezas e cuidar da herança que já recebemos (Sl 127.3)?

Continua...

sexta-feira, 4 de março de 2011

Carnaval, chaves e governo!

Do Blog da Dani

Governe sobre nós é um clamor que Deus gerou em nossos corações em forma de canção.

A festa da carne (Carnaval) se aproxima, e gostaria de deixar uma reflexão sobre como o festejo carnal pode estabelecer domínios carnais e diabólicos sobre vidas e cidades e falar sobre a lei que rege o Governo de Deus.

Romanos 8:6 diz: "A inclinação da carne é morte, mas a inclinação do Espírito é vida e paz".

Além de ser uma festa que abertamente sugere que as pessoas façam tudo o que tem vontade, no Carnaval renovam-se alianças com entidades das trevas de várias maneiras, a mais popular delas e talvez a "mais engraçadinha", seja a entrega da chave ao "rei momo".

Este trecho retirado do site www.miniweb.com.br esclarece bem alguns pontos importantes:
"A própria origem do carnaval é obscura. É possível que suas raízes se encontrem num festival religioso primitivo, pagão, que homenageava o início do Ano Novo e o ressurgimento da natureza, mas há quem diga que suas primeiras manifestações ocorreram na Roma dos césares, ligadas às famosas saturnálias, de caráter orgíaco. Contudo, o rei Momo é uma das formas de Dionísio — o deus Baco, patrono do vinho e do seu cultivo, e isto faz recuar a origem do carnaval para a Grécia arcaica, para os festejos que honravam a colheita."
Algumas fontes relatam que o Momo era um personagem mitológico que personificava a ironia e o sarcasmo, e que começou a aparecer no carnaval do Brasil a partir de 1930. Em algumas cidades como, por exemplo, o Rio de Janeiro, existe uma tradição em que o prefeito entrega a chave da cidade para o rei Momo. Desta forma, simbolicamente, o rei Momo governa a cidade nos quatro dias de folia.

Parece que durante este período, o inimigo tenta ironizar e zombar do fato de que Jesus é o Rei dos reis e é Jesus quem tem as chaves para reinar sobre a Terra. A realidade é que Jesus tem as chaves por direito (as chaves mencionadas na Bíblia são: da morte e do inferno, a chave da Casa de Davi e a chave do conhecimento.)

A Palavra em Efésios 4:9,10 diz que Jesus desceu às partes mais baixas da terra e que
Aquele que desceu é também o mesmo que subiu acima de todos os céus, para cumprir todas as coisas.Jesus foi ao inferno e tomou as chaves das mãos do diabo. Aleluia! Jesus manifestou-se para destruir as obras do inimigo, o poder do pecado "uma vez por todas se manifestou para aniquilar o pecado pelo sacrifício de si mesmo" (Hebreus 9:26b). Por este motivo em Cristo e vivendo através do Seu Espírito, somos libertos do poder do pecado e não somos devedores a carne (Rom 8:12).

A lei que rege o governo de Deus em nossas vidas é a lei do espírito de vida, que em Cristo Jesus nos fez livres da lei do pecado e da morte, a graça que se manifestou em Jesus pelo preço que Ele pagou com seu sangue(visto que sem derramamento de sangue não há remissão de pecados), nos isenta desta dívida para com a carne, e o pecado não tem mais domínio sobre nós. Porque Cristo venceu o pecado!

Ao celebrar o carnaval as pessoas estão se colocando debaixo do jugo da carne, ao entregar chaves de cidades ao Momo, prefeitos como homens de autoridade, estão dando legalidade para a atuação demoníaca naqueles dias. Por isso se você é crente e está pensando em "dar umas puladinhas por aí", pense bem antes, pois Jesus pagou um alto preço para te fazer livre do domínio da carne e de satanás.

A que governo você quer submeter sua vida, família? Ao governo da carne, e consequentemente das trevas, cuja consequência é morte e destruição? ou ao Governo de Deus, vivendo através da lei do espírito de vida a fim de agradar a Deus? E cuja consequência é vida abundante de paz, justiça, alegria, amor, saúde. Em Cristo e pelo Seu Espírito somos livres para escolher a vida.

Ansiamos pelo dia em que os prefeitos vão entender isso e se aliançar com Jesus, ansiamos e cremos no dia em que não se celebrará a carne nas ruas do Brasil, mas em que se festejará a Cristo, a vitória da cruz, e a redenção da nossa nação!

Governe sobre nós Jesus!Tu és o Senhor, acima de tudo e de todos! Só Tu és! JESUS REI DO BRASIL, REI DAS NAÇÕES!

quarta-feira, 2 de março de 2011

Textos que não podem ser esquecidos - Março



{ Observo aqui nos meus arquivos que, ao longo desses anos como blogueiro, há apenas um texto meu escrito em um mês de março. Talvez seja porque nesse mês minha esposa, meu pai e meu cunhado fazem aniversário. E também é meu aniversário de casamento! Então por isso aparecem abaixo apenas dois textos: a parte 1 foi escrita na verdade em janeiro/2006, mas deixei o link aqui só para manter a sequência com a parte 2, esta sim escrita em março/2006. Agora espero escrever mais neste mês. }

Há cinco anos: Seja excelente (parte 1)

Há cinco anos: Seja excelente (parte 2)