segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Retidão em dias tortuosos

Luciano Motta

Segundo o Dicionário Priberam da Língua Portuguesa, a palavra "retidão" indica a qualidade de quem é reto, ou seja, alguém sincero, verdadeiro, justo, imparcial; aquele que segue o caminho da honra e da probidade; uma pessoa observadora dos deveres, da justiça e da moral. Falar de retidão neste século, a partir desses pressupostos, produz um choque de realidade: vivemos dias de alta relativização e quebra acelerada de paradigmas. Valores basilares da sociedade, como a família, vêm sendo abandonados ou substituídos por outros modelos e princípios, cujos resultados catastróficos já são bem conhecidos. Há uma demanda enorme por "pessoas de bem" e "de palavra", por lideranças que sejam exemplo de integridade e caráter. Há um clamor por retidão e justiça. As manifestações recentes no Brasil provam isso.

É um paradoxo que a Igreja tenha deixado de ser sinônimo de "gente certinha" e "quadrada", no sentido de conservadora dos bons costumes. Algo está muito errado quando o que é bom passa a ser mau, e o que é mau passa a ser bom, e aqueles que deveriam dizer "Isso está errado!" se calam ou se unem aos que têm invertido e subvertido as coisas. O divórcio, por exemplo. Deus detesta o divórcio, Ele só permite o divórcio por causa da dureza dos corações humanos, e Jesus não autoriza novos casamentos depois de divórcios (Lucas 16.18). Mas o que se vê hoje na Igreja é o mesmo padrão torto do mundo: famílias fragmentadas, filhos sem referência de pais e com irmãos de outros relacionamentos. Cada vez mais escolas estão deixando de celebrar o Dia das Mães e o Dia dos Pais porque essas comemorações parecem ter perdido o sentido, tamanha a confusão!

Se a mola mestra da sociedade - a família - está quebrada, o que dizer de outras áreas? Poderíamos falar aqui dos "novos valores" que as crianças têm recebido atualmente no mundo real e virtual, das dificuldades de se administrar bem as finanças, das desigualdades e dos problemas urbanos. Poderíamos tratar de outras consequências da falta de retidão, como a perda de valores éticos. Tornou-se prática cotidiana o desvio, o jeitinho, a malandragem. E se a Igreja falha enquanto padrão de justiça, que esperança resta à humanidade senão que venha o Justo Juiz, o Senhor dos senhores e Rei dos reis, e transforme todas as coisas?

"Nosso Deus vem e não guarda silêncio. Diante dele, há um fogo devorador e, ao seu redor, uma grande tempestade" (Salmo 50.3).

"Justiça e juízo são os alicerces do teu trono; amor e verdade vão à tua frente" (Salmo 89.14).

"Nuvens e escuridão o rodeiam; justiça e retidão são a base do seu trono. Diante dele vai um fogo que consome seus inimigos ao redor. Seus relâmpagos iluminam o mundo; a terra os vê e treme. Os montes derretem como cera na presença do Senhor, na presença do Senhor de toda a terra. Os céus anunciam sua justiça, e todos os povos veem sua glória" (Salmo 97.2-6).

O fogo descrito pelos salmistas retrata o Zelo de Cristo em sua segunda vinda. Ele queima de Amor e Verdade - Seus olhos são como chamas de fogo! (Apocalipse 1.14) Ele vai consumir tudo o que está errado, tudo o que está desajustado e que não se enquadra às bases do Seu trono. É por isso que as pessoas precisam urgentemente saber que Jesus vem ao encontro de uma Noiva gloriosa como Ele é! Ele restaurará todas as coisas e estabelecerá o Seu Reino na terra em parceria com uma Igreja Santa, condizente a Justiça e a Retidão que sustentam Seu trono e constituem Seu próprio caráter. Eis a questão: Como estamos nos preparando para o Grande Dia do Senhor? Seremos capazes de fitar os olhos de Cristo? Seremos imediatamente consumidos por causa de nossos grandes (e pequenos) desvios diários ou celebraremos com Ele em Sua Presença?

"Pereçam os ímpios diante de Deus como a cera que derrete no fogo. Mas alegrem-se os justos, regozijem-se na presença de Deus e se encham de júbilo. Cantai a Deus, cantai louvores ao seu nome! Louvai aquele que cavalga sobre as nuvens, pois seu nome é SENHOR; exultai diante dele!" (Salmo 68.2-4).

Esses e outros salmos, dentre tantas passagens proféticas que poderíamos mencionar aqui, descrevem com detalhes impressionantes o que se passa no trono de Deus e o que vai acontecer quando Jesus voltar. São passagens completamente alinhadas com o que João viu e relatou no livro de Apocalipse:

"Aquele que estava assentado tinha a aparência semelhante a uma pedra de jaspe e sárdio. Ao redor do trono havia um arco-íris semelhante a uma esmeralda. [...] Do trono saíam relâmpagos, vozes e trovões; diante do trono estavam acesas sete lâmpadas de fogo, que são os sete espíritos de Deus" (Apocalipse 4.3,5).

"A morte e o inferno foram jogados no lago de fogo. Esta é a segunda morte, o lago de fogo. E todo aquele que não se achou inscrito no livro da vida foi jogado no lago de fogo" (Apocalipse 20.14-15).

Vivemos os dias do fim, Cristo está às portas, mas as pessoas se comportam como nos dias de Noé, completamente embevecidas pelo que o mundo lhes proporciona, sem se aterem ao que lhes espera! Jesus está vindo com poder e grande glória, e a Igreja segue despreparada, embora já avisada, mantendo suas botijas sem azeite, sua fé sem o combustível da paixão e do amor pelo Amado, sua conduta cambaleante e cambiante por tantos amores, atividades, preocupações!

As boas novas do Evangelho não se limitam a uma vida legalzinha nesta terra, ainda que sejamos transformados e aperfeiçoados pela graça de Deus. Na verdade, todo nascido de novo em Cristo não tem maior motivação do que ser exatamente como Aquele que os salvou! Ele nos amou quando ainda estávamos mortos em nossos delitos e pecados, e nos justificou, e nos fez retos à Sua própria imagem. Hoje Ele nos declara justos, perdoados, bem-aventurados. Pelo Espírito Santo, podemos entrar no descanso de Deus e nos aproximarmos do trono da graça com confiança, para encontrarmos misericórdia e graça (Hebreus 4).

Algumas pessoas já estão queimando... queimando... queimando por Ele! Esses já estão fazendo outros queimarem também, porque se comprometeram em elevar o padrão, buscando viver em retidão, à imagem do Justo. Não há fórmulas mágicas, instantâneas. Eles estão crescendo em graça, desenvolvendo sua salvação pela devoção diária, pelo alimento que desce do Céu, pelo conhecimento e revelação da pessoa de Cristo. O que os salmistas viram, o que João viu, essas pessoas estão vendo pela fé Naquele que em breve há de vir, e estão se preparando para o Grande Dia. Eles anseiam ver o Amado e fitar Seus olhos que queimam Amor e Verdade.

terça-feira, 17 de setembro de 2013

24/7 Arder e Iluminar



7 dias de oração, 24 horas. Uma casa com ambientes de música, busca, oração e profecia. Venha participar!
(eu estarei ministrando no domingo, no turno de dez ao meio-dia)

Data: 18 a 24 de setembro de 2013

Local: Rua Geraldo Irenio Joffily, 136 (esquina com Rua Dois W) - Recreio dos Bandeirantes - Rio de Janeiro

Informações pelo email: falecomagente@rugidodoleao.com

Facebook: https://www.facebook.com/events/553607038037487/

Assista o vídeo:

terça-feira, 10 de setembro de 2013

Vídeos - Conferência A Igreja como Casa de Oração

Seguem alguns vídeos de ministrações da Conferência A Igreja como Casa de Oração, realizado nos últimos dias 5 a 7 de setembro de 2013:





segunda-feira, 9 de setembro de 2013

"Conhecer a Deus" - Conferência A Igreja como Casa de Oração



Por Webb Venga - Síntese da palavra da terceira noite (sábado, dia 07/09)

Revela-nos quem és Tu, Jesus!

Gen 1 – Deus plantou duas árvores no Jardim:
Árvore da Vida = conhecimento de Deus.
Árvore do conhecimento do bem e do mal = capacidade humana de conhecer as coisas sem Deus.

João 17.3 – Isso é a vida eterna: que conheçam a Deus e o Filho.

A vontade de Deus era que conhecêssemos o bem e o mal por meio do conhecimento de quem Ele é. Mas a árvore do conhecimento do bem e do mal destravou na mente humana a capacidade de olhar e discernir entre algo bom e algo mal, mas esse mesmo fruto fez com o que o homem não pudesse mais conhecer a Deus pela outra árvore: a Árvore da Vida.

Por causa disso, desde o Éden, o homem tem dentro de si uma pergunta: quem é Deus?

Ex 3.13 – eles me perguntarão: quem é esse Deus? Mas era o mesmo Deus dos pais daquele povo hebreu.
Jesus andou com os discípulos por 3 anos, e eles ainda não conseguiam saber quem Ele era. Mas Pedro respondeu por revelação: Tu és o Cristo.

A.W.Tozer: o que você pensa de Deus sobre quem Ele é, isso é o mais importante que você sabe ao seu respeito.

O mundo diz: Deus é uma ilusão, Ele não existe. Mas Deus é real!

O fato de podermos ter relacionamento com Deus hoje faz de nós pessoas incomuns. Deus fala conosco. Só que muitas pessoas que estão nas igrejas não sabem que isso é real, gente que não sabe nada a respeito de Cristo.

É possível uma pessoa viver sem pecado por pelo menos um dia? Não? Então que Evangelho é esse? – SIM, É POSSÍVEL viver em santidade, dizer NÃO à pornografia, à mentira, ao roubo, não olhar para uma mulher, é possível viver sem compulsão por sapatos...

Será que reconheceríamos Jesus se entrasse pelas portas dos templos?

Muitos dirão naquele dia: Senhor, Senhor... Mas Ele responderá: não vos conheço!

Cantares de Salomão – a história de um rei e de uma mulher que se apaixonam. A amada busca conhecer quem é o Amado. Ele vem e a convida, mas ela recusa. Ele vem de novo, saltando pelos montes, e a convida, mas ela recusa outra vez. Um dia Ele bate a porta, ela dá desculpas, mas quando resolve ir, Ele se foi. A amada sai pelas ruas, mas os vigias do muro a assaltam e a maltratam. Ela fica enferma de amor, e pede para que isso seja dito ao Amado, e diz quem Ele é para as donzelas que cuidam dela. As donzelas desejam saber mais a respeito Dele. No fim, a amada se declara ao Amado – agora ela o convida.

Nós não estamos enfermos de amor – não conseguimos dizer ao mundo a respeito do Amado Jesus, porque não o conhecemos!

Falta relacionamento – Quem é Ele? (Isaías 40.20, 1 João 5.20)

Jó 38 – Deus fala com Jó do redemoinho, e em uma série de perguntas demonstra toda a Sua Grandeza. Antes disso, um amigo de Jó diz: o Senhor é grande, e nós não o conhecemos! No final, Jó reconhece quão pequeno é. Ele conhecia Deus de ouvir falar, mas depois passou a ter relacionamento com o Senhor.

Um desejo deve permanecer: Jesus, quero te conhecer mais! Ainda não te conheço! Conta-me teus segredos, revela-me quem Tu és.

Oficinas - Conferência A Igreja como Casa de Oração



Sínteses das palavras das oficinas de sábado à tarde (dia 07/09):

DONS E PROFECIA
Oficina – Fabio Coelho

Jesus chamou seus seguidores, seus discípulos = aprendizes (talmidim). Os rabinos escolhiam meninos com até 13 anos, os melhores dos melhores, para serem seus discípulos. Mas Jesus escolheu aqueles que não serviram para os rabinos da religião.

Deus está nos aperfeiçoando – Filip 1.6
Paulo, no final da carreira, afirmou estar prosseguindo em conhecer o Senhor – Filip 3

Como os discípulos aprendiam? Fazendo!

Atos 1.8 – poder para testemunhar – Testemunho = Mártir, alguém disposto a morrer por aquilo que viu e ouviu. Os discípulos precisavam do poder do Espírito para poderem dar testemunho e morrerem pela causa do Evangelho.

Profecia tem a ver com revelar o coração do Pai na terra. Para isso, precisamos ouvir e ver. Em Atos 2 os discípulos ouviram o som como de um vento impetuoso, e viram labaredas de fogo. Então, começaram a falar, a dar testemunho a respeito do que estavam ouvindo e vendo. Isso é revelação.

Jesus aparece para João na ilha de Patmos e entrega cartas às igrejas da Ásia – ao término de cada carta: “Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz à igreja”. Isso foi necessário porque aqueles crentes não estavam mais ouvindo.

Jeremias 23.18 – “Quem esteve no conselho do Senhor... e viu e ouviu... escutou, e atendeu?” A Palavra não é um som, mas uma pessoa: o Filho. Conselho denota reunião, deliberação.

Apoc 1 = A voz do Senhor é como um som de muitas águas = Deus fala de forma contínua, às vezes forte, às vezes mais suave. Hoje Ele está falando, mas não estamos parando para ouvi-Lo. Quando começamos a dar atenção à palavra, começamos a ver.

Lugar secreto = fechar a porta e se concentrar Nele, na Sua voz. Então, teremos revelação.

Efésios 1 = sabedoria e revelação (remoção de véu, para vermos claramente).

Apoc 4 = a porta está aberta = Jesus é o acesso! Ele fala conosco por meio de visões, voz interior, sonhos...

Sua voz é constante, contínua. A questão é se estamos ouvindo, se estamos entrando na sala do Seu Conselho, se deliberamos a respeito do que Ele está fazendo e está para fazer nas cidades. E mais do que as impressões sobre as palavras que ouvimos Dele, estamos correspondendo ao que Ele está nos revelando?

O Filho só fazia o que via e ouvia o Pai fazer (João 5). Ele entrava no Conselho do Senhor antes de começar o dia. Jesus só agia por revelação.

(no fim, depois de um tempo em oração, diversas pessoas tiveram visões, que convergiram para uma só palavra de Deus a todos nós e à cidade)

. . . . .

ORAÇÃO HARPA E TAÇA
Oficina – Webb Venga

Deus está aumentando em toda a terra a oração associada com a música.

Uma casa de oração não é algo apartado da igreja, mas uma maneira da igreja funcionar. Não é uma revolução da igreja, não é uma moda, uma nova visão, um upgrade da igreja.

Na história, a igreja muitas vezes confundiu-se com as novas visões, as visitações do Espírito.

O templo era uma casa de sacrifícios, de leis, mas no tempo de Jesus não era assim. As pessoas iam buscar a Deus, mas paravam em barraquinhas para pagar e negociar seus sacrifícios. Casa de oração é uma casa de relacionamento, não de religiosidade, nem de pompas por causa de cargos ou funções. Discipulado não se colocar na frente de Deus, ou entre Deus e as pessoas, mas colocá-las diante Dele.

Apoc 4.8 – ao redor do trono existem 24 anciãos e 4 seres viventes que contemplam a glória de Deus dia e noite, e declaram: Santo, Santo, Santo... E não se cansam de cantar isso. Por que eles fazem isso? Eles nunca tiveram uma ferida curada, nunca passaram por dificuldades, nunca pediram por avivamento, nunca precisaram pedir ajuda ao Espírito Santo – Eles foram criados para adorar a Deus, como nós, na terra.

João 17 – Jesus disse que queria seus discípulos onde Ele estivesse.
Davi pediu uma só coisa: contemplar a beleza do Senhor.

Deus é real. Por que não existe a contemplação da beleza do Senhor hoje?

2 Crônicas 29.25 – Ezequias seguiu a ordem de Davi: colocou cantores, músicos, profetas, para declararem a grandeza, a santidade de Deus. Essa ordem veio de Deus.

Seguiram a ordem de Davi: Salomão, Jeosafá, Jeoiada (2 Cr 23.16-18), Ezequias (2 Cr 29.25-27), Josias (2 Cr 35.3-15), Zorobabel, Esdras e Neemias (Esdras 3.10, Neemias 12.24-47). Esses avivamentos ocorreram depois de reestabelecida a ordem.

Hoje é imprescindível estabelecer cantores e profetas que contemplem a Deus dia e noite.

Amós – restaurarei o tabernáculo caído de Davi, para que os gentios (as nações) sejam salvos. Ainda não somos a plenitude dessa restauração, mas Deus está gerando isso. Atualmente existem congregações no Brasil e no mundo inteiro adorando dia e noite ao Senhor, proclamando a Sua beleza. Deus está sendo exaltado em toda parte como nunca antes na história, em proporções globais, e isso nunca irá diminuir, só irá aumentar!

A Noiva está se preparando... Ela irá bradar: Vem! E junto com o Espírito: Vem! Então o Noivo virá!
Apoc 5.8 – harpas e taças – o modelo utilizado na casa de oração não é o cumprimento desse texto, mas um nome baseado nesse verso. Por que é preciso um modelo? Porque a reunião dia e noite precisa ser sustentável. É uma maneira organizacional para que músicos entrem, músicos saiam, intercessores falem e cantores se calem, e vice-versa. Permite que se flua espontaneamente dentro de uma ordem.

(no fim, um tempo prático uniu orações e música)

sábado, 7 de setembro de 2013

"Um lugar para Deus" - Conferência A Igreja como Casa de Oração



Por Michael Duque Estrada - Síntese da palavra da segunda noite (sexta-feira, dia 06/09)

Sempre foi a vontade de Deus morar na terra – Gen 2 / Apoc 21 e 22

No Éden havia a árvore da vida no centro do Jardim. No fim dos tempos, também há menção a árvore da vida – o Jardim é como Sião Celestial, a Nova Jerusalém.

O pecado fez com que o homem se afastasse dessa realidade.

É preciso que haja pessoas com um peso para construir um lugar para Deus na terra.

Salmo 132 – a maior aflição de Davi: não descansar enquanto não construir um lugar para Deus.

Precisamos sair do lugar religioso e entrar em um lugar de angústia, para construirmos um lugar para Deus. O mesmo zelo que estava sobre Davi foi manifestado por Cristo ao entrar no templo e revirar as mesas dos cambistas.

Davi constrói uma tenda, põe ali a arca do Senhor e banca de suas próprias finanças um grande número de levitas para adorarem a Deus continuamente. Isso remete a Apoc 8.

O que aconteceria se Deus se hospedasse em São Gonçalo por 10 anos?

Lucas 10.38 – Betânia – Jesus ia a Jerusalém para trabalhar, mas retornava a Betânia para recostar a cabeça e descansar. Lá moravam Maria (adorava a divindade de Jesus) e Marta (servia a humanidade de Jesus). E ainda havia Lázaro ressuscitado.

2 Reis 4 – a ressurreição do filho da Sunamita – Ela preparava o ambiente para hospedar o profeta. Ela construiu um quarto para ele. Então, o profeta mandou dizer à mulher: o que você quer que eu te faça? Quando construirmos um lugar para Deus em São Gonçalo, Ele nos perguntará: o que vocês querem que eu faça na cidade?

Nos tempos de Ageu, as pessoas estavam preocupadas com suas coisas, enquanto a casa de Deus estava em ruínas.

Nosso chamado primeiro é o sacerdócio – precisamos nos conectar com o que já está acontecendo. Existe um mover do Espírito sobre nós – precisamos ver quem somos nós nisso!

Existem pessoas que serão integrais no mover de oração; outros irão cooperar nas finanças; outros serão enviados às nações e aos lugares áridos no Brasil, como o sertão nordestino; e assim por diante.

Quem eu sou nisso, Senhor? O que o Senhor está fazendo?

Libera o Teu Zelo!!!

sexta-feira, 6 de setembro de 2013

"Avivamento" - Conferência A Igreja como Casa de Oração



Por Ângelo Bazzo - Síntese da palavra da primeira noite (quinta-feira, dia 05/09)

2 Crônicas 7.14

“Sarar a terra” – isso é avivamento!

Visitação + Conversão + Transformação

Atos 2 – Visitação de Deus:
“De repente” – “som do céu” – quebra a mesmice, tudo muda
“Línguas de fogo” – envolveram todo o corpo, da cabeça aos pés, de dentro para fora

Deus está em todos os lugares? Não é bem assim. Ele é onipresente, não há como se ausentar da sua presença. Mas há momentos que a Sua presença se intensifica, e isso é diferente de outros lugares. Por que isso ocorre? Porque há pessoas desejando o Senhor, e onde Ele é invocado, Ele se manifesta! Sua presença invade o lugar.

Quando recebemos uma palavra de conhecimento ou uma direção de um irmão, naquele momento não sentimos a presença de Deus, mas a unção profética daquele irmão. Avivamento é quando Deus mesmo vem para o meio do seu povo. Há diferença entre unção e glória de Deus – com unção, ministramos melhor, pregamos melhor, mas quando vem a glória de Deus, não conseguimos mais ministrar nem pregar.

Avivamento é quando toda uma comunidade é batizada no Espírito Santo ao mesmo tempo. No contexto de 2 Crônicas, ao término da construção do templo, a glória de Deus encheu a casa, e ninguém conseguiu ficar de pé.

Isaías, quando viu a glória de Deus, disse: “Ai de mim, que vou perecendo! Porque sou homem de lábios impuros” – o pecado interior é exposto pela visitação de Deus. Toda visitação de Deus gera conversão, arrependimento.

"Eu me coloco em chamas, e o povo vem para me ver queimar" - John Wesley (respondendo à pergunta de como ele atraía as multidões).

Atos 2.37 – “ouvindo eles estas coisas” – as pessoas sentiram uma dor profunda no coração = compungir.

Se sou obrigado a evangelizar, é porque não estou gostando muito disso... Não estou queimando, falta vida – falta avivamento! Se Cristo me salvou e me transformou, quero anunciar a todos! Poucas palavras já incendeiam corações, em qualquer lugar.

Sem avivamento, criam-se técnicas para ganhar pessoas para a igreja. Alguém que é ganho por meio da música gospel só ficará na igreja se tiver música gospel. Se atraímos por causa do Evangelho, e Cristo crucificado, as pessoas permanecerão por causa do Evangelho de Cristo.

Toda conversão verdadeira leva a transformação. Sarar a terra = ambiente transformado, além das pessoas convertidas. Pense em cidades sem presídios porque não há criminosos – Deus visitou a cidade, as pessoas se arrependeram e houve transformação na terra, na sociedade, na cultura.

Levítico 18.24 – “até a terra ficou contaminada” – o pecado contamina a terra.

Uma prova de que a terra de São Gonçalo precisa ser curada = a maior quantidade de templos evangélicos no mundo por metro quadrado! Só que isso não é sinal de que as coisas estão mudando: a política, a cultura, etc. NÃO HÁ TRANSFORMAÇÃO DA TERRA.

Avivamento da Rua Azusa – pessoas caíam no poder de Deus antes de chegarem no lugar de reunião. Mas não houve transformação completa da cidade – parou em uma parte, apesar de gerar coisas boas em Deus. Nem todas as cidades serão transformadas no mundo – mas se não ocorre isso, então deve ser esperada uma perseguição. Os evangélicos são aceitos hoje pela sociedade. Somos parte do problema.

Como pôr tudo isso em prática?
“Se o meu povo...” (vamos continuar com nossa vidinha, fazendo as mesmas coisas?).
Posição: se humilhar (reconhecer que não temos avivamento).
Orar como nunca, interceder como nunca, buscar a face de Deus como nunca... então Deus poderá fazer alguma coisa.

Muitos que se dizem crentes nunca tiveram um encontro real com Cristo. Quando o avivamento chega, Deus começa a salvar “crentes falsos”, não importa o cargo ou a denominação. Se não está queimando, amando a Deus de todo o coração, existe a possibilidade de não ser salvo. Quando nascemos de novo, Deus nos dá um coração para amá-Lo totalmente.

Não sei você, mas eu preciso de avivamento!

Avivamento para quem está morto, reavivamento para quem está apagado.

terça-feira, 3 de setembro de 2013

Sobre a unidade da Igreja

Por Agenor Neto - Niterói, 30 de junho de 2013.

Vós sois o Corpo de Cristo, uma parte do Seu Corpo que está espalhada pelo mundo. Há aqui nesse pedaço do Corpo aqueles que anseiam pelo Senhor? Que esperam com ardor a Sua volta? Que sentem uma saudade do Noivo e querem desesperadamente que Ele se apresse para o casamento? Sim? Essa é a prova que sois parte do Corpo de Jesus, o Noivo, o Cabeça do Corpo.

Ele se aproxima. Sua volta está próxima. Mais próxima do que jamais esteve! Ele vem para casar, para se unir à Sua Igreja, Sua amada Noiva.

Mas Sua Noiva está quebrada! O Seu Corpo está quebrado! Mas o Senhor Deus há de transformar o mal em bem. O Espírito Santo há de mover-se e mostrará a todos os pedaços do Corpo do Filho que eles são um só Corpo! O Espírito de Deus andará pela Terra e fará entender a todo o Corpo que são um!

O Espírito, que desde a eternidade esteve entre o Pai e o Filho, promovendo o amor e a comunhão perfeitos entre eles, moverá na Igreja essa mesma união em amor. Em cada grupo, pequeno ou grande, que faça parte da Noiva, o Espírito há de mover. Não perderão suas particularidades, assim como no corpo humano os olhos são diferentes das mãos, e estas dos pés, mas são parte do mesmo corpo. Todos hão de se reconhecer como partes do Corpo, como parte da Noiva de Cristo, e estarão unidos pela mesma ansiedade: a presença do Noivo, Sua volta vitoriosa, Seu Reino Eterno. Isto os unirá! A mesma vontade de ver o Senhor Jesus reinando sobre tudo e sobre todos!

Corpo de Cristo, esteja atento à ação do Espírito NESTES DIAS. Em JEJUM e ORAÇÃO esteja vigilante! O Senhor Jesus, o Noivo, vem! O Espírito restaurará o amor incondicional ao Noivo, ao Cordeiro, ao Senhor Jesus! ESSA É a vontade do PAI!!!

. . . . .

Agenor Neto estava orando pela unidade do Corpo de Cristo, quando teve essa impressão sobre a unidade da Igreja. Depois de escrevê-la, entendeu que essas palavras deveriam ser repassadas a todos os grupos, igrejas e comunidades cristãs, para que todos possam estar orando e buscando esse mover do Espírito em prol da unidade, que começará ainda neste ano. 

Antes de qualquer movimentação pela unidade, é imprescindível que os crentes se mobilizem em oração intensa, a fim de que o Espírito Santo mova a Igreja da maneira como Ele quiser, algo que não sabemos como fazer - por isso a necessidade de esperarmos Nele em oração. 

Espalhe essa mensagem a outros irmãos: vamos orar pela unidade da Igreja, apenas orar, sem grandes movimentos agora. Vamos orar para que Ele faça do jeito Dele, e nos una conforme a unidade que há entre o Pai, o Filho e o Espírito Santo - para que o mundo creia (João 17.21).

Talvez sejam necessários encontros específicos e pontuais, o povo de Deus se reunindo conforme o "som da trombeta": "Grande e extensa é a obra, e nós estamos separados no muro, longe uns dos outros; em qualquer lugar em que ouvirdes o som da trombeta, ali vos ajuntareis conosco. O nosso Deus pelejará por nós" (Neemias 4.19-20) - não por causa da presença de "inimigos", como no contexto de Neemias, mas pela necessidade de nos aproximarmos, de deixarmos um pouco nossas agendas pessoais e eclesiásticas, em encontros que podem ser uma conferência, uma reunião de oração, uma reunião para alinhar visões e impressões a respeito do que Deus está realizando e orientando a Sua Igreja. Mas a ação mais simples e vital continua sendo a oração pela unidade. Vamos nos concentrar em orar e esperar Nele.