terça-feira, 9 de dezembro de 2014

"Deus está nos chamando para o lugar da oração"

ESCOLA DE ORAÇÃO BETÂNIA 2014
Síntese da palavra de sexta-feira, 05/12 - Kirk Bennett

Mateus 6.6

A maioria sabe que se deve orar. Fomos ensinados que precisamos orar. Ao longo dos anos, oração e evangelismo se tornaram provavelmente as duas palavras que fazem todo cristão se sentir culpado por elas. Todos já ouviram sobre isso, mas a maioria não ora nem evangeliza.

Descobri o problema: nós, os líderes. Temos o mesmo problema que o povo. Sabemos que temos de orar e evangelizar, mas também não fazemos nem uma coisa nem outra. Estamos no mesmo lugar.

O Senhor me chamou para o lugar da oração em 1987. Achava que conhecia Deus, mas no lugar de oração pensei que tinha feito algo errado e que Ele estava me castigando. Deus me disse: quero você horas na minha presença. Eu disse: horas? Ah, não! Eu argumentei: não tenho o dom de orar, não sou chamado para orar. Ele me disse: Eu que te dei os seus dons, o seu chamado.

Eu tive que descobrir que oração não é para pessoas que tem um dom para orar, mas é para todo aquele que crê em Jesus. Quem acredita em Jesus, vai falar com Ele, vai ouvi-Lo. Sem isso, como dizer que é um crente?

Há um problema entre o que digo que creio e o que realmente creio.

Eu era um pastor, responsável por uma parte considerável da igreja, cerca de 500 pessoas. O pastor titular convocou toda a equipe para estar 8 horas por semana na sala de oração. Eu pensei: o pastor vai me pagar praticamente um dia de trabalho por semana para orar? Mas eu nunca tinha orado nem 8 horas em um mês, quanto mais 8 horas por semana! Achei que depois disso, eu ia ficar brilhando e as pessoas cairiam quando chegassem perto de mim. Então, comecei as primeiras duas horas de oração. E logo olhava o relógio e achava tudo aquilo muito chato. Eu não sabia como estar com Deus, não gostava de estar com Deus. Preferia falar sobre Deus do que com Deus.

Eu orava uma lista de pedidos, porque não sabia o que dizer para Deus por tantas horas. Mas o tempo não passava. Orava a lista de trás para frente, orava a lista em línguas, e a hora não passava.

Existia uma grande distância entre mim e Deus, mas eu não sabia disso. Eu conhecia o Cristianismo, mas não conhecia Cristo. Eu profetizava, usava meus dons, mas não conhecia Ele muito bem. Estar com Ele é bem diferente.

O Senhor nos ama profundamente. Ele anseia estar conosco. Ele sabe cada pensamento nosso. Quando pensamos no céu, imaginamos fazer muitas coisas: conhecer a sala do trono, beber do rio que corre do trono, etc. Mas Deus deseja apenas uma coisa: você e eu.

Muitos de nós fomos ensinados que há palavras certas para orar, mas isso não é verdade. Em Mateus 6.6 Jesus ensina a parte pessoal, individual de falar com Deus. Não se trata do que falar, mas falar, conversar com Ele livremente. Na Igreja Metodista, de onde vim, orávamos o “Pai Nosso” em todas as reuniões. Essa oração é curta, mas muito profunda. As palavras de Cristo são profundas – sempre existe mais revelação sobre quem Ele é. A questão é conhecer quem Ele é e quem é o Pai.

Por muito tempo fiquei fascinado com as coisas que Deus tinha me dado, mas perdi a fascinação por Ele mesmo. Meu coração foi ficando endurecido, e o Cristianismo, enfadonho. Foi quando Deus me chamou: eu quero você horas na minha presença.

Descobri na jornada que a Bíblia é um livro com 66 cartas de amor escritas para mim. 66 maneiras diferentes de Deus falar comigo o quanto me ama, o quando Ele é real e o quando posso conhece-Lo. Não quero deixar de lado essas cartas de amor. Não quero amar as coisas mais do que Ele. Todos nós estamos em uma jornada. Avivamento de amor está tocando a terra, um chamado de volta ao primeiro amor, um chamado para que pessoas voltem ao lugar de intimidade com Deus. Agora mesmo há um convite de casamento, para que pessoas se preparem para esse dia, conversarem com o rei e entrarem na história de amor mais profunda que já existiu.

Prepare-se para o casamento! – Deus está perturbando o Cristianismo, os ministérios. Jesus não é cristão. Ele não segue o Cristianismo. Ele é o Cristo. Muitos conhecem o Cristianismo, mas não conhecem Cristo. Tudo gira em torno do amor. Ele nos ama para o amarmos de volta e entrarmos em um amor mais profundo. É simples, não parece que é tão maravilhoso, mas é a forma que Deus determinou ao coração humano: conhece-Lo e ama-Lo.

Estamos tão ocupados, procurando amor em outras coisas. Nosso ser anseia por amor do jeito mais profundo possível. Se vamos a Igreja e não encontramos esse amor, então vamos procurar amor fora de Deus. E isso nunca vai nos satisfazer. Não é um amor intelectual, mas é um amor no mais profundo interior. Deus é Espírito. Ele é capaz de levar nosso ser a profundidades de alegria, fascinação, glória, transformação profunda que não vamos encontrar em outros lugares.
Como fazer isso? O mundo tenta com filmes, com entretenimento. Deus diz: venha!

Muitos pensam: o que preciso pagar para ter uma experiência profunda de amor? Deus apenas diz: venha, eu quero estar com você! Isso é oração – uma troca de afetos de amor. O que é o primeiro mandamento? Amar Deus. Como amá-Lo? Ao recebermos Seu amor por nós, damos amor de volta para Ele. Isso é oração.

Lucas 11 acontece dois anos depois de Mateus 6. Jesus acaba de orar, e os discípulos perguntam: ensina-nos como orar. Jesus ensina a mesma oração.

É impossível não se relacionar com alguém sem conversar com essa pessoa. Imagine em um casamento que o marido só se comprometa a conversar com sua esposa apenas 5 minutos por dia. Esse homem não quer uma esposa, quer um casamento. Muitos querem o Cristianismo, mas não Cristo.

Os discípulos nunca perguntaram nos Evangelhos: ensina-nos a expulsar demônios, ou ensina-nos a curar os enfermos. Eles perguntaram: ensina-nos a orar. Os discípulos viram que o relacionamento de Jesus com o Pai o capacitava a realizar milagres, levantar mortos.

Transformação está no contexto do relacionamento. Achamos que a mensagem vai mudar a gente, a igreja vai mudar a gente, pessoas que orem por nós vão mudar a gente. Achamos que vamos mudar sem Deus. Nossa transformação está em um relacionamento profundo com Deus. Distante Dele não conseguimos mudar.

Percebi que a minha cidade nunca ia mudar sem oração. Então, nos comprometemos a orar em nossa sala de oração para que Deus mudasse a cidade. Por um ano e meio, depois de orarmos todos os dias, no fim de uma das reuniões de oração, eu disse: Senhor, sou grato a Ti, mas quando vais mudar a cidade? Ele me disse: já estou mudando a cidade, veja o quanto você mudou. Quanto mais pessoas orarem, mais a cidade será transformada.

O pensamento babilônico é: vamos fazer algo sem Deus. Podemos mudar, construir uma torre até o céu, edificar uma cidade sem Deus. Desde então, sistemas religiosos, políticos e financeiros tentam construir sem Deus.

Há uma necessidade de repetição na oração. Os discípulos, creio eu, só entenderam depois que Jesus ensinou o “Pai Nosso” pela segunda vez. O amor vai mais fundo em nós cada vez que oramos. Vamos entendendo, vamos nos aprofundando.

2 Coríntios 3.18 – “Portanto, todos nós, com o rosto descoberto, refletimos a glória que vem do Senhor. Essa glória vai ficando cada vez mais brilhante e vai nos tornando cada vez mais parecidos com o Senhor, que é o Espírito”. Quando contemplamos Deus, somos transformados. Olhar para Deus é como mudamos. A liderança da igreja, por anos, tem falado para pessoas que verão a glória de Deus quando forem para céu, depois de morrerem. Não podem ver agora a glória de Deus, e então devem sair e chamar pessoas para a igreja. Por isso há tantas igrejas cheias de pessoas que não veem a glória de Deus, que lutam as mesmas lutas ano após ano. Esse é o dilema da igreja.

Mas Deus tem um plano maravilhoso! Ele vai restaurar o Tabernáculo de Davi. Um lugar cheio de jovens para estar na presença de Deus. O emprego deles era contemplar Deus, com música para Ele. É um modelo de adoração para a igreja hoje. Davi fez instrumentos, uniu pessoas para tocarem esses instrumentos. Os mais velhos treinavam os mais jovens. Era uma atmosfera artística fascinante, com a presença de Deus bem no meio.

Atos 15 – o Cristianismo estava começando a se tornar um método religioso. Foi um momento crítico para a igreja, pois até então era constituída apenas de judeus. Mas Pedro e Paulo começaram a ver o que Deus estava fazendo entre os gentios. Os antigos mestres judeus estavam dificultando a vida dos gentios para se tornarem cristãos, impondo as leis judaicas. Mas as coisas impuras, Deus estava tornando puras.Tiago se levantou naquele conselho e afirmou o que também se encontra em Amós 9.11-12:

“Depois disso eu voltarei — diz o Senhor — e construirei de novo o reino de Davi, que é como uma casa que caiu. Juntarei de novo os pedaços dela e tornarei a levantá-la. Assim todas as outras pessoas, todos os outros povos que eu chamei para serem meus, vão procurar conhecer o Senhor” (At 15:17).

Deus está levantando lugares de oração e adoração em todos os lugares – músicos e cantores se reunindo em torno do Senhor. Ele está nos chamando para o lugar da oração. Podemos fazer isso do jeito fácil ou do difícil, quando há perseguição.

A casa de Deus é oração.

Nenhum comentário:

Postar um comentário