quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

As duas profecias de Jonas

Por Asher Intrater | Boletim Revive Israel 27/12/2016

Jonas entregou duas grandes profecias. A primeira está registrada em 2 Reis 14.25 – da expansão das fronteiras de Israel. Foi uma mensagem de vitória e poder. Ele parecia muito motivado para esse tipo de profecia.

A segunda foi registrada no Livro de Jonas para trazer arrependimento e avivamento para a nação da Assíria – uma nação gentia, geralmente vista como inimiga de Israel. Jonas não queria levar essa mensagem de jeito nenhum. Era contraintuitiva e contrária à sua motivação e orientação. Ele disse “Não” ao Senhor.

Ele teve que superar sua própria resistência à mensagem. Quando fez isso (com a ajuda de um grande peixe), a mensagem trouxe avivamento à toda aquela nação. A mensagem sobre arrependimento foi baseada no seu testemunho pessoal de uma experiência miraculosa de “morte e ressurreição”. Aquela foi uma espécie de mensagem pré-evangelho. Ele cumpriu uma imagem de Yeshua (Mateus 12.40).

Uma nação inteira passou a crer em Deus. Esse foi um estágio inicial da futura Igreja gentia internacional. Foi um antecessor da pregação de Paulo aos gentios e do estabelecimento de igrejas ao redor do mundo.

Além disso, a reforma moral na nação da Assíria mudou toda a sociedade. Eles se tornaram a nação mais poderosa da terra e dominaram a história do Oriente Médio durante todo o oitavo século a.C. Eles se tornaram uma grande potência em forma de “reino” na terra.

Arrependimento, avivamento, testemunho da futura morte e ressurreição de Yeshua, a igreja gentia, autoridade do reino, mudança na história... tudo isso como resultado de uma mensagem! As duas mensagens proféticas de Jonas eram paralelas, mas a mensagem assíria teve mais efeito que a israelense. A mensagem que exigiu morte ao orgulho e ao ego produziu mais que uma de vitória e poder.

As pessoas costumam ficar mais motivadas com o tipo de mensagem que se encaixa em nossa ideia de vitória, mas com frequência é a mensagem que exige a negação de si mesmo e da ambição própria que gera mais resultados para o reino de Deus. Até mesmo Yeshua teve que orar: “Não seja feita a minha vontade, mas a sua…” no Getsêmani antes da crucificação. No fim, essa obediência de autonegação produziu muito mais fruto do que seus avivamentos de cura antes da cruz.

Também podemos ver nesses dois tipos de profecia os dois caminhos paralelos de Israel e da Igreja. Os discípulos de Yeshua queriam “restaurar o reino a Israel” (Atos 1.6) no primeiro século. No entanto, Yeshua os enviou aos gentios “até os confins da terra” (Atos 1.8). Talvez, eles não quisessem “dar” o reino aos gentios, da mesma forma que Jonas não queria.

Graças a Deus, hoje, temos a oportunidade de fazer ambos. Nós estamos cooperando com a restauração dupla de Israel e da Igreja (Romanos 11). Os dois estão chegando à sua plenitude à medida que nos aproximamos da vinda do reino do Messias para a terra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário